Todas as fotos publicadas são de minha autoria, tiradas com telemóvel.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

É um sonho

"É um sonho
A felicidade
A dor uma realidade
Há vidas que morrem
Amores que traem
Verdades que mentem
Lágrimas inúteis.

Em cada lágrima
que semeia a terra
Quando o orvalho
cai pela manhã.

Elas aguardam
O nascer
de um novo sol
Em trechos
da liberdade
E os sonhos
os acordará"

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Um post sem interesse

Mesmo assim resolvi publicá-lo...e poder mostrar estas flores que pessoalmente acho lindissimas, embora admita que sou suspeita, porque adoro flores, estas são silvestres, que eu própria colhi no pinhal. Isto porque esta semana resolvi ir ao pinhal apanhar lenha. Pronto...já sei, estão a pensar que é treta, mas não , nem foi nenhuma aventura. Existe um velho ditado que diz, "galinha do campo não quer capoeira", o mesmo acontece comigo, talvez por ter nascido e crescido numa pequena Aldeia onde fui habituada  desde muito pequena a andar no campo nas terras de cultivo e no pinhal a apanhar lenha.
Lenha que servia como único aquecimento da casa, também para aquecer o forno para cozer a broa e para fazer a comida ao lume, porque em casa do meu pai não existia gás nem luz, existia sim fogueira todos os dias do ano.
Cá em casa de Verão a lenha serve para acender o carvão,  porque fazemos uma alimentação à base de  grelhados, no Inverno serve para o mesmo efeito e para desfrutar do prazer de ter uma lareira à lavrador com uma boa fogueira.
O facto de eu ir ao pinhal apanhar lenha, para mim não é nenhuma aventura, mas sim um hábito que considero saudável e um prazer de desfrutar e conviver com a Natureza .
Considero aventura sim o facto de eu pedir ao meu Ro. uns botins (botas de borracha, não vá o Diabo tece-las com a bicharada no pinhal) e ele trouxe-me uns botins nº 44, eu que calço o nº 36, isso sim é uma aventura, é como fazer manobras com um automóvel sem direcção assistida. Mas vale sempre a pena, é reconfortante fazer as coisas que gosto e com prazer.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Ser especial

"É fazer
de uma lágrima um sorriso
De um olhar uma carícia
De um beijo uma paixão
De um dia de chuva um dia de sol...

Ser especial
é aquilo que não sou
Mas o tempo passa
e um dia o céu escurece
O sol deixa de brilhar
Uma lágrima fica no olhar
Lança-se um último suspiro
E começa o tempo infinito".


quarta-feira, 18 de maio de 2011

O desânimo

"Leva-nos
A perder coisas únicas na vida
A não arriscar o que se procura
A desistir do que se pode ter
Levando-nos
por vezes à própria tortura.

Difícil
é encontrar saída,
Mas desistir
é aceitar a derrota
As vivências do passado
serviram para nos ensinar
As do futuro talvez sirvam
para nos encorajar

Devemos
mostrar a nós mesmos
que somos fortes
Que somos capazes
Valorizar-nos
Porque o mundo é um jogo
Viver é regra
Desistir é batota
È virar costas
aqueles que amamos
Aos amigos que gostamos
Àqueles que podem
contar sempre connosco
E pior que não ter amigos
é não os e nos valorizar".

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Uma das minhas paixões são as flores


Algumas das tulipas que a minha amiga Mariinha me ofereceu, muito obrigado minha amiga.





O meu Lírio


As minhas Frézias



Os meus Malmequeres









O meu Balsamo









Como sempre as fotos são tiradas com o telemovel, por isso a sua fraca qualidade.






segunda-feira, 9 de maio de 2011

Num grito

         "Vagueei
        só no vazio 
  da minha existência
  num deserto de gelo
onde só tinha meu reflexo
    como companhia.

Num grito abominante
           chorei
  chamei pelo teu olhar
que demorou a encontrar
      e naquela noite
que procurava esquecer
  entre o negro e a luz
      vaguei trémula
      em busca de ti.

  Estendeste-me
        a mão
 cerraste-me o olhar
      com a força
das tuas palavras
   embalaste-me
   no aconchego
     dum abraço
senti o bater  do teu
       coração.

        Talvez
    as palavras
estivessem gastas
com sabor a nada
mas foi desse nada
   que tudo nasceu 
que hoje nos envolve
     que faz vibrar
nossos sentimentos
  para possamos
    fazer sentido."

terça-feira, 3 de maio de 2011

As minhas rosas e a Margarida

Faz tempo que prometi à minha amiga que iria colocar aqui as minhas rosas, aqui ficam apenas algumas.





























  E esta é a Margarida
                           


 É ela que me ajuda a podar as roseiras, eu uso a tesoura, ela usa os dentes.


As fotos são  de fraca qualidade, são tiradas com o telemovel.


segunda-feira, 2 de maio de 2011

Para tudo existe sempre uma 1ª vez

E o desemprego não foge à regra...hoje foi o meu 1º dia de desemprego ao fim de 40 anos de trabalho, comecei a trabalhar numa fábrica com apenas 13 anitos, onde trabalhei durante 16 anos, depois fui para um escritório de contabilidade onde estive 25, ou seja, até agora. Era funcionária única, mas os subsídios e o salário começaram a faltar à muito tempo, fui suportando, mas a situação tornou-se insustentável, hoje com 54 anos vi-me obrigada a vir embora sem qualquer indemnização e deixar lá o que está em atraso. Estou  a passar por uma daquelas partidas da vida para a qual não estou preparada. Mas como rios mudam, também nós estamos sujeitos a mudanças. Resta-me ter capacidade para consegui digerir esta mudança radical na minha vida sem me deixar ir abaixo, o que não está sendo nada fácil.

domingo, 1 de maio de 2011

Mãe

"Por trás
da mulher que sou 
Por trás
da minha existência
existe um vazio por preencher
Por trás
da minha tristeza
existe uma criança
a chorar pelo teu amor 
que nunca recebeu.

Tudo o que eu sempre quiz...
foi o teu sorriso para me animares
As tuas mãos
para aparar minhas quedas
E meu rosto  acariciares
Ouvir a tua voz ao adormecer
Mas nem uma única vez apareceste.

Deixaste-me crescer
a sofrer, a chorar por ti
e a mágoa a aumentar
Deixas-te
as minhas lágrimas secarem
Enquanto
sorrias para o sonho.

Alguns anos mais tarde
olhava para ti e não te via
Queria tocar-te
mas não conseguia
Chamavas por mim
mas eu não sabia
como te responder
Queria ajudar-te
mas achava
que era tarde demais.

Hoje
passados muitos anos
Olho-te
e consigo ver-te
Consigo tocar-te
Chamas-me
e eu respondo-te.

Então
meu coração
entende que
não é  tarde demais
para te chamar
Mãe".

Eu tinha apenas oito aninhos quando  
a minha mãe me abandonou.