Todas as fotos publicadas são de minha autoria, tiradas com telemóvel.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Em cada estrela

Do meu  jardim



Não há palavras 
que definem o amor.

Um amor que nos une 
numa fronteira mágica
de silêncio, de compreensão,
de palavras, gestos, expressões,
até  incompreensões.

  Por vezes sorrimos
  outras choramos
  mas não deixaremos morrer 
em nosso coração
    quem amamos.

    O dia
  em que eu deixar de ser  quem sou
    será o dia
      em  que os  meus olhos
         se fecharem para sempre.

Se eu
partir para um lugar distante
eu irei
escrever o nome daqueles que amo
em cada estrela
para que as possam olhar
e ver
o quanto o amor significa para mim.





sexta-feira, 24 de junho de 2011

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Senti vontade de ouvir

Senti vontade  porque doro esta canção, só isso. Eu não "preciso saber o que é o amor" felizmente eu sei, eu amo, e sou amada.

Bom feriado



segunda-feira, 20 de junho de 2011

Mundo

      Mundo de pedra
  que estais a ser construído
onde estais campos de cereais
      campos de flores
porque estão a perder valores
   aqueles que se dizem
     grandes senhores.
Onde estão
esses valores
não os vejo, não os ouço
não os sinto
apenas ouço palavras secas
Ver o mundo
num grão de areia
estão a roubar-nos o tempo
e o direito de vivermos em paz.
A dignidade
está doente quase em coma
Só a ironia está viva.

sábado, 18 de junho de 2011

Existem dias assim

Como o meu estado de espirito e a minha inspiração anda um pouco nostálgica, hoje vou trocar a escrita pela música da qual preciso de ouvir para me sentir viva.

Bom fim de semana

segunda-feira, 13 de junho de 2011

As nossas Arvores

Este nosso cantinho não é mais do que um enclave de uma frondosa floresta onde pontificam centenas de árvores centenárias, algumas delas únicas. Este património faz parte de uma das estâncias termais mais antigas do nosso País, deixo à vossa imaginação a descoberta, porque "são rosas"

Macieira em flor


Já com maçãs

  (Não sei o nome) conhecido por limpa garrafas


Nerium



Hibisco


                                                  Faia centenária


Amieiro


Debaixo deste amieiro existe, Salsa, oregãos, coentros, cidreira.
Fotos tiradas com o telemovel.


quinta-feira, 9 de junho de 2011

Em 28 de Abril


Foi neste dia que  vos apresentei os meus gatos que tanto adoro.








Hoje o meu Riscadinho  partiu, morreu envenenado. Ontem de manhã estava bem comeu brincou com um outro e foi dar a sua habitual voltinha como todos os dias  fazia, mas não voltou nem para comer nem dormir, o que era estranho tive um mau pressentimento, mas, existe sempre um mas...hoje logo pela manhã cá estava ele,  agarreio-o ao colo, vi que não estava bem, o dono já estava a arrancar de carro ainda falou com ele mas (o stress pela manhã) acabou por não lhe dar a atenção habitual, ele aconchegou-se no meu colo, olhou-me deu um grito e morreu, fez questão de se despedir de nós. Pelo menos o stress evitou que o dono assistisse  a este acontecimento e aquela  imagem, que não consigo apagar. 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Sinto

"Sinto
um pesadelo de ideias
um cansaço imenso
que me alaga
me arrasta
à angústia, à tristeza
que habita em mim
é violenta
tornam-me estranha
a este mundo.

Um mundo
pelo qual não sonhei
e que me revolta
me faz ter ideias
pensamentos
sentimentos
bem estranhos
que invadem
o meu ser.

Desejo
dias melhores
que me tragam forças
para continuar
a ter esperança
e que um dia
os meus desejos
se realizem".

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Ainda algumas das minhas paixões 1

No dia 11 de Maio  publiquei um post que dizia que uma das minhas paixões são as flores...pois bem!!! Aqui ficam mais algumas

Amarilis






Flor do Liz

Jarros






Camélias


As minhas fotos são tiradas com telemovel

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Ser criança









Em criança que quase não fui, porque depois da escola existia muito trabalho nas terras e as tarefas em casa...mas existia sempre um bocadinho para brincar com o meu irmão Lele... jogávamos  às escondidas, à macaca, ao botão, ao berlinde, ao pião, saltávamos  à corda, subíamos árvores onde descobríamos ninhos com passarinhos,  ir à fruta  ao pomar do vizinho...não era bom exemplo, mas sabia tão bem...era arriscado, mas divertido, ajudava-nos a minimizar a dor que ambos sentíamos.

Eu sonhava...sonhava um dia ser capaz de  construir um monumento ou um castelo de verdade....sorria só de pensar em situações únicas...tais como observar de cima do telhado o pôr-do-sol, lá longe caindo sobre o mar.

Outras vezes ficava a contar as estrelas...contava-as, mas logo me perdia...tentava decifrar seu mistério...e sonhava que um dia iria descobrir um outro planeta...e assim maravilhava-me com a conquista do meu coração.

Hoje embora a criança que fui, ainda teime em encontrá-la...escavando muita dor dentro da alma,  não descobri um outro planeta, mas sim um mundo com o qual eu não sonhei, muito menos para as crianças,  que serão os nossos  homens do amanhã...

Continuo a sonhar...porque sonhar não pode ser  apenas  uma palavra, muito menos ser esquecida, mesmo que por vezes proibida, ou lançada ao abismo do nosso ser.