Todas as fotos publicadas são de minha autoria, tiradas com telemóvel.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O canito


Olá eu sou o Risquinho

Nome escolhido pelos meus donos a Flor de Jasmim e o Folha Seca , mas eles chamam-me de Canito, talvez porque era muito pequenino quando fui encontrado pelo Folha Seca junto das instalações do seu local de trabalho, fez um ano em Dezembro, ele trouxe-me para casa pensando que eu era fêmea, até me deram a pílula, pois acham graça? Na altura não achei, mas agora até dá vontade de rir. Sou muito meiguinho, sou inofensivo, mas tive um sacana que me mordeu e pôs-me a coxear, mas não ficou só por aí.
Eu no veterinário
A Flor teve que me trazer para aqui, eu já não suportava as dores

Olhem a minha patinha toda inchada, doía tanto

Levei cinco injecções, dormi toda a tarde

O meu dono veio para casa de propósito para estar comigo, mas eu só queria dormir

Não é fácil abrir os olhos e ver a minha patinha sem pêlo
Os meus donos dizem que cresce rápidinho, pois, falar é fácil.




 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Saudade


Foto minha de telemóvel



Saudade
chega silênciosamente
aconchega-se no coração
sinto que o abraça
quero que vá embora
mas é a única que não me abandona.
3o de Janeiro comemora-se o dia da saudade

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Olho

Foto minha



Olho
e sigo em frente
nenhum obstáculo contém poder
capaz de deter a minha força de vontade
estar triste não é perder o rumo
não vou desistir
perante os dilemas que me entristecem
vou enfrenta-los
excluindo o peso da minha incapacidade.
  

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O sol

O campo por aqui está assim após uns dias de sol.

Como as flores também eu necessito de ver,  de sentir o calor do sol para voltar a sorrir.



Fotos minhas

Mesmo sendo flores de ervas daninhas, são lindas ou serão os meus olhos que as vêm assim.
A beleza está nos olhos de quem vê.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Os meus medos

Foto minha


Fascinante 
imensidão onde refugío meus medos
sinto o cheiro envolvente
Penetra-me 
a intensidade da sua pulsação
Aqui
ele reina imperiosamente
Nele
parte a esperança
em cada onda revolta
que morre na rebentação
Naufraga a saudade
Permanecem os sonhos
que são como árvores
caídas arrastadas pela tempestade
que morrem sem dar fruto.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Todos os dias são dias

Existe um dia para tudo.

Hoje é Dia Internacional do Obrigado, para mim todos os dias são dias para  um simples agradecimento.
E por falar em agradecer, acabei de falar com  duas senhoras que me pediram uma informação à qual eu não soube responder  por  falta de conhecimento, as senhoras viraram costas e não disseram nada, mas disse eu, OBRIGADO! As senhoras olharam-me  e nada disseram.

Isto aconteceu no percurso da minha caminhada, passo a uma casa onde existe este amigo que faz questão de todos os dias vir ao gradeamento como se viesse dar-me as boas tardes, olha para mim parecendo que está a sorrir, lógico que fico toda derretida, tento retribuir ao falar com ele, ou ela, não sei, mas sei que lhe fico grata pela sua manifestação.

Foto minha

Tal como agradeço à mãe natureza por esta planta, apenas com uns quarenta centímetros deu-me estes dois piri-piris


Foto minha

E a todos aqueles que me acompanham deixo aqui o meu muito OBRIGADO.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Caminhando



Foto minha de telemóvel



Caminhando
pelo caminho da vida
olho
à minha volta
 vejo
que tudo perde o brilho
Tudo
perde a cor
Olho para trás
e vejo que tudo se perde na correria
em busca das utopias da vida.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Resistentes

São algumas das nossas flores depois de terem suportado algumas noites de bastante geada hoje ainda estão assim 










Fotos minhas

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O lavadouro

Foto minha de telemóvel

Um lavadouro público dos vários que conheço, este fica a uns duzentos metros da nossa casa e está a necessitar de cuidados, mesmo assim ele é utilizado por algumas mulheres já de longa idade, é aqui que lavam as suas roupas por não terem máquina para esse fim.

Nas minhas caminhadas passo junto dele, um destes dias vi uma senhora com alguma dificuldade para colocar na sua cabeça uma bacia com roupa lavada, dirigi-me a e ela e disse-lhe que a ajudava, a senhora olhou-me e respondeu que não estava habituada a ter ajuda, muito menos de pessoas jovens como  eu, respondi "não sou tão jovem como isso" ela olhou-me e disse "pois mas tem idade para ser minha filha" eu disse "talvez".

A senhora cansada largou a bacia e sentou-se em cima de uma das pedras ao lado daquela onde tinha lavado a roupa olhou-me de novo e disse "tenho setenta e cinco anos" ao mesmo tempo que pegava e guardava um pequeno rádio a pilhas, dizendo " é a minha companhia, vem comigo para aqui e para o quintal, em casa é a televisão mas só até Janeiro, depois acabou-se, é preciso um aparelho, (TDT) mas não  posso comprar é muito dinheiro, tenho uma reforma que é uma miséria,  para comprar o meu remédio já não dá para o comer.

Sentei-me ao seu lado ouvindo-a atentamente, ela continuou seus desabafos de lágrimas a caírem dizendo "vivo sozinha, o meu homem morreu, tenho tantas saudades dele, vivemos juntos quarenta e tês anos, tinha-mos um cão e um gato faziam-me tanta companhia era a única coisa boa que tinha depois dele morrer, mas tive que os dar  porque não tinha comer para eles".
Levantou-se e eu coloquei a bacia com a roupa na sua cabeça, ela agradeceu dizendo " muito obrigada menina que Deus dê muita saúde a si e aos seus".

Vim embora de lágrimas nos olhos, interrogando-me...quantas pessoas no nosso País têm como companhia apenas uma simples televisão e que este mês vão ficar sem ela, por não poderem comprar o tal aparelho (TDT) para adaptar.
Para uns o que vem a ser um grande negócio e contentamento, para muitos mais vem  aumentar sua solidão e  tristeza.

Penso que é uma violência...ou será mau feitio o meu.