Todas as fotos publicadas são de minha autoria, tiradas com telemóvel.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Profundo inquietar


Foto minha



Sinto
que não estou bem
estou triste
não, não estou, ou estou
não sei.

Sei que
sinto um aperto
um profundo inquietar
sinto falta do meu sorriso
sinto saudades de mim
da mulher que conheci
e dos sonhos
que dolorosamente
me estão a ser arrancados.
 
Sinto vontade
de escrever  o que sinto
mas não consigo entender
o que sinto
só sei que sinto.
 

16 comentários:

Graça Sampaio disse...

Desafio do Melhor Piropo: mande-me o piropo mais giro que ouviu ou disse e vamos eleger o melhor piropo! Lá no http://www.picosderoseirabrava.blogspot.pt/2013/09/ai-os-piropos.html
Vá lá concorra!
Graça

Janita disse...

Minha querida Flor.

Essa profunda inquietação e todas essas dúvidas existenciais, fazem parte da humanidade desde sempre! São tão antigas como essa velha árvore que me parece ser uma oliveira.
Saudades daquilo que um dia fomos e não saber explicar o que sentimos e porque o sentimos, acontece a todos nós.
Desabafar faz bem. Alivia a alma! Nunca te inibas de o fazer.

Beijinho grande.

✿ chica disse...

Te entendo bem! Todas nós por vezes temos isso, estamos inquietas, indóceis e sem saber o motivo. Aqui, quando me acontece, só chorando, colocando tudo pra fora melhoro! beijos e adorei tua foto! chica

Rosa dos Ventos disse...

Já nada é como era...e ninguém sabe como seria se tivesse sido de outra maneira!
Há que seguir em frente!

Abraço solidário

Nádia Santos disse...

Flor, essa fases de inquietação, vem e vão, não é mesmo! Logo tudo dentro de ti se acalma. Um bj e a foto ficou ótima e linda também.

Pedro Coimbra disse...

Espírito positivo, Adélia.
Esse é o primeiro passo.
beijinhos e votos de boa semana!

Ricardo- águialivre disse...

Bom dia

Os contrastes do coração quando estão confusos no caminho a seguir.
Tente parar, pensar, e escolher o melhor rumo

Fique feliz
*********************
http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

São disse...

Esperança , Adelinha, esperança: as coisas más também acabam!

Abraço apertado.

Ritinha disse...

Pense que tudo muda, amanhã estará com o coração pulando de felicidade e certas ensações erão apenas um passado.
bjs
Ritinha

lino disse...

A esperança tem de ser a última a morrer!
Beijinho

quem és, que fazes aqui? disse...


Todos sentimos saudade do que fomos. No fundo, até a oliveira...

Beijo

Laura

Fê blue bird disse...

Amiga, escolheste uma árvore muito nobre e bela para ilustrar este teu poema/desabafo.
Lembrei-me oferecer-te este poema de Olavo Bilac, que acho muito a propósito do teu sentir.


Velhas Árvores

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores moças, mais amigas,
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...
O homem, a fera e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres da fome e de fadigas:
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.
Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,
Na glória de alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!


beijinho

Lilá(s) disse...

E eu só se,i que sinto o que tu sentes...
Beijinho grande

ONG ALERTA disse...

Um sentir inconstante....
Beijo Lisette

Nilson Barcelli disse...

Não tens o nível do Fernando Pessoa (ninguém tem), mas fizeste-me lembrar alguma poesia dele.
Há sentires assim, indefinidos mas persistentes. Vê se os descobres e conta-os... pode ser em poema, claro...
E que seja tão como este, que é excelente.
Flor, querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Como eu sei o que tu sentes, por vezes estamos sem estar e vamos seguindo o caminho que por vezes é tão cheio de pedras.

Um beijinho com carinho
Sonhadora