Todas as fotos publicadas são de minha autoria, tiradas com telemóvel.

domingo, 6 de setembro de 2020

O meu sentir


Amo a noite
não aquela de insónia
de lágrimas
Amo aquela
em que olho a lua
contemplo a imensidão
e a beleza
do céu estrelado.

Fixo a estrela maior
aquela que mais brilha
faço dela minha confidente
nem sempre a vejo
mas sinto que está lá
escutando
acariciando
cada palavra minha.

Isso alivia a minha alma
transmite-me capacidade
para enfrentar
a inquietação que habita em mim.








10 comentários:

Janita disse...

Oh, inquietação essa tua que não se aquieta nunca Amiga Adélia.

Muito bonito o teu poema nostálgico, mas creio que essa melancolia já faz parte da tua personalidade. Vive em ti como as estrelas vivem no céu.

Fiquei feliz por te voltar a ler.
Volta mais vezes, sabes que todos te sentimos a falta.

Um grande beijinho, Adélia e sê feliz.

chica disse...

Lindo teu poema e linda a noite...Gostei! Bom te ver! beijos, chica

Pedro Coimbra disse...

Seja bem regressada!
Beijinhos, boa semana

Cidália Ferreira disse...

Poema e imagem, sublime!! :)
-
Atípicas, as sedes desmedidas ...
-
Beijos, e uma excelente semana.

luisa disse...

Bonito regresso, Adélia! :)

vieira calado disse...

Olá!

A noite é sempre amiga dos poetas!

Bela imagem, também.

Bjs!

redonda disse...

Acho que já vi a noite assim.
Gostei muito deste poema
um beijinho grande e uma boa noite

São disse...

Essa noite suave que se repita muitas vezes na tua vida, Adelinha!

E gostei do regresso, querida.


Beijinho, boa semana

luar perdido disse...

A noite sempre nos enfeitiça, nos atrai com a magia da sua cor, dos seus segredos. Embala-nos os sonhos, transporta-nos a outros mundos...
Um poema lindíssimo querida Adélia, que tenhas muitas noites assim, onde crias asas e voas bem alto.

Beijinho de coração

Fanny Costa disse...

Contemplar a noite com os olhos da alma, escutar a canção das estrelas e voar nos seus mistérios.
Adorei!
Um abraço de luz